terça-feira, 31 de agosto de 2010

De volta à realidade.

Foto: Google
Boas tardes.

Decidi deixar aqui no vazadouro um inevitável (mas espectável) desabafo.
O motivo não será profundo, transcendente, brilhante, ou sequer interessante. No entanto, se até mentes brilhantes têm pensamentos prosaicos, também eu, mero escriba (escravo) das imposições do sentir, tenho aflições do mais vulgar que pode haver.

Ser ou não ser... Pensar ou nem por isso... Tudo isso é, momentanemente, secundário porquanto o mau estar é mais premente do que o raciocínio.

Pronto, deixo-me de subterfúgios.

O problema é:
Acabaram as férias...
Acabou o ócio...
Acabou o prazer de ser dono da totalidade do meu tempo, de ser senhor insubstituível da minha vontade.

Regresso amanhã, bem cedo, à labuta.

Pensamentos como "Trabalho para viver?" ou " Vivo para trabalhar? surgem sem convite.
Deixando-me aprisionar pela dicotomia, trabalho, seguramente, para viver.
Seria necessário sequer pensar para responder? Para alguns não tenho dúvidas que a questão imporia reflexão e dúvida.

Confúcio disse, (ou escreveu...) "Escolhe um emprego que ames e não terás que trabalhar um único dia!"

Sagaz, este Confúcio...

No primeiro impacto estas palavras quase que nos tolhem a concordar de tão definitivas que soam.
"Tem razão, o diabo do homem!!"

Terá, isto é, teria.

Nos dias de hoje a escolha efectiva do emprego que se deseja acarreta as dificuldades que todos conhecemos.

Nos dias de hoje a possibilidade de emprego afigura-se cada vez mais como um bem de obrigação imediata e não passível de grande escolha. Afinal, sempre é melhor comer logo a maçã do que esperar pela picanha que dificilmente será servida...

É certo que Confúcio não vive entre nós e, sobretudo, não vive(u) em Portugal...

É certo que nenhum argumento nega a verdade de raiz, inerente ao pensamento do "diabo do homem".

É certo... que amanhã não quero ir trabalhar.

Bem hajam.

André Couto.

3 comentários:

Daniel Silva (Lobinho) disse...

André, o teu desabafo é multiplicado neste dia por tanta tanta outra gente. E nos mesmos moldes. Claro que Confúcio estava certo ao dizer o que disse. Ou como diria Sto Agostinho "Ama... e faz o que quiseres"! como que dizendo que amando somos interiormente livres e sendo livres fazemos o que queremos.

O problema nem é tanto recomeçar! É recomeçar no que temos, porque quando se gosta do que se faz, o trabalho é, em si, uma fonte de higien mental e as rotinas são necessarias ao Homem! estes dias ja ouvi varias pessoas na televisão (logo eu que ause nao vejo televisao) a dizerem que ja era chegado o tempo de voltar ao trabalho...

Podes ter deixado de ser senhor do tempo da maneiora como podias gerir nas ferias, mas nao deixaste de ser senhor da vontade, mesmo que isso implique o tempo!

Importrante nao é o que nos acontece, mas a maneira como encaramos o que nos acontece. E, como digo no início, nesta altura, o teu desabafao é apenas um no meio de milhares :) Mas é sempre bom faze-lo... Ate porque a tua escrita é sempre tao boa :9

Abraço e lembra-te que começas o trabalho numa 4ª :)

Ailime disse...

Olá André!
Muito obrigada pela generosidade das suas palavras no meu cantinho.
Desejo-lhe um óptimo recomeço na sua labuta!
Como lembra o Daniel é quarta feira e só faltarão dois dias para o fim de semana:))
E como o que disse Confúcio é bem verdade quando puder ser aplicado e, claro, se for o seu caso tudo ficará ainda mais fácil.
Beijinhos.
Ailime

André Couto disse...

Obrigado, Daniel e Ailime, pelas vossas palavras carinhosas.

De facto, embora não me custe demasiado, também não amo o emprego que tenho. Já me foi mais custoso, admito.

Começar numa quarta-feira foi muito bom. Afinal hoje é quinta-feira...mas já é sábado. ;)