sábado, 20 de fevereiro de 2010

Nobre Povo


Partido: União de muitas pessoas para determinado fim; facção; parcialidade; bando; convénio; vantagem; proveito.

Partido Político: associação de cidadãos que pretendem obter o exercício e os benefícios do poder.

Política: (...) modo de se haver em qualquer assunto particular para se obter o que se deseja; astúcia; esperteza; maquiavelismo; (...)



Ontem materializou-se o anúncio formal da candidatura do Dr. Fernando Nobre à Presidência da República Portuguesa.
Na minha óptica trata-se de uma inegável lufada da ar fresco, puro e, sobretudo, limpo.

Não tardará que tentem associar este movimento com uma qualquer lógica partidária. Tentarão classificá-la como de esquerda, de direita, de centro. Surgirão críticos que a rotularão de mandatada por alguém. Surgirão parasitas que se tentarão colar a este movimento como sedentas sanguessugas.
Tentarão minimizar as suas potencialidades.
Desejo que todos esses falhem cabalmente os seus propósitos.

Vivemos tempos conturbados em que a consecutiva incompetência dos nossos governantes aliada ao esgotamento de um modelo económico nos trouxe de volta ao pântano.
Alegadas escutas, alegados subornos, alegadas pressões, alegadas fugas ao alegado segredo da alegada Justiça alegadamente publicadas por um alegado jornal alegadamente semanal.
Temos um alegado Governo que não aparenta querer governar mas que não se demite; temos uma alegada Oposição que quer governar mas não quer demitir o Governo.

Neste contexto surge a candidatura do Dr. Fernando Nobre.
Aos que lhe acusam a pouca experiência política eu respondo: ainda bem que não a tem.
Aos que lhe apontam a falta de experiência partidária eu digo: que bom!!
A nível pessoal pouco lhe poderão apontar. De verdadeiro serviço público tem a vida inteira a falar por si. Capacidade para organizar e aglutinar pessoas não me parece que lhe falte.
Não vislumbro dificuldade em que reúna pessoas competentes e de diversos universos ideológicos.
Diplomacia é um meio com o qual está habituado a lidar.
Preocupação com o povo não lhe falta.

Parece-me indesmentível que este candidato tem predicados únicos e que merecem reconhecimento e oportunidade.
É evidente que um Presidente da República não governa. Não será nunca um salvador da pátria. Mas o fundamental reside no facto de que esta candidatura pode fomentar uma há tanto esperada mudança de paradigma. O início de uma nova era.

Os desafios que hoje se nos colocam não se compadecem de ideologias políticas de posicionamento espacial. Não vamos a lado nenhum com esquerdas, direitas e centros. Precisamos de preocupações sociais da esquerda, preocupações com segurança da direita, preocupações com a saúde económica do centro. Não precisamos é destes partidos políticos.
Apenas duas coisas nos fazem falta: trabalho e bom senso.

Desejo toda a sorte e todo o êxito para a candidatura do Dr. Fernando Nobre.
Desde que se mantenha supra-partidária contará com o meu voto e com todo o apoio que dentro das minhas possibilidades puder fornecer.


Bem hajam.

Sem comentários: