quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Um daqueles dias


Hoje tive um daqueles dias.
Hoje tive um daqueles dias insuportáveis e intermináveis.

Mas cá estou.

A minha presença diante de vós significa a negação das minhas palavras.
A minha presença diante de vós significa que suportei o dia e que este terminou.

Venha outro que este já foi e enquanto me prostro diante de tão nobre audiência folgaram já as dores que o dito dia me infligiu.

Nada de grave, portanto.


Partilho ainda convosco um poema que há muito pouco revi e não resisto a publicar:

"A minha sombra sou eu,
ela não me segue,
eu estou na minha sombra
e não vou em mim.
Sombra de mim que recebo a luz,
sombra atrelada ao que eu nasci,
distância imutável de minha sombra a mim,
toco-me e não me atinjo,
só sei do que seria
se de minha sombra chegasse a mim.
Passa-se tudo em seguir-me
e finjo que sou eu que sigo,
finjo que sou eu que vou
e não que me persigo.
Faço por confundir a minha sombra comigo:
estou sempre às portas da vida,
sempre lá, sempre às portas de mim!"


Almada Negreiros


Até já!

4 comentários:

Daniel Silva disse...

Há sempre alguém que te espera :) seja uma pessoa individual ou colectiva, como o caso dos blogues :)

abraços

Joaninha disse...

Yup, o senhor não era só um brilhante pintor, escrevia que era uma maravilha...
O meu dia hoje está como o teu...a deixar-me de rastos.

Peguei no Pessoa, mas devia ter pegado no Freitas hoje no exame tenho de falar sobre Direito Administrativo e só me vem à cabeça as prosas intimas do Fernando...tou tramada

beijos

André Couto disse...

Obrigado pelas tuas palavras Daniel.

Joaninha,
até pode ser que quem corrigir o teu exame prefira ler prosas íntimas do que Direito...

sonhos/pesadelos disse...

conheço bem estes dias assim...amanhã o sol brilha de novo!
bjs endiabrados