domingo, 2 de novembro de 2008

Lendo os outros


"Sócrates e a banha da cobra"

"SINTO-ME ENVERGONHADO ao ver o primeiro-ministro do meu país a desempenhar o papel de vendedor de banha da cobra numa cimeira de chefes de Estado e de Governo. De cada vez que a cena passa na televisão [v. aqui], sinto vontade de me enfiar num buraco. A cena revela falta de sentido de Estado, falta de bom senso e falta de vergonha.
Não é verdade que – como ele diz – o computador «Magalhães» seja um produto genuinamente português e, ainda menos, ibero-americano. Mas, mesmo que o fosse, um mínimo de pudor deveria ter impedido o primeiro-ministro de vestir a pele de um vulgar promotor de vendas de um produto comercial que está bem longe da excelência.
Para o engenheiro José Sócrates, a ausência de oposição à altura e de alternativa credível, em Portugal, convenceu-o de que tudo lhe é permitido aquém e além-mar – por cá, na Europa e na América Latina – sem medo de que o ridículo dê cabo dele.
De facto, não há situação mais lamentável do que aquela em que se encontra o PSD. Num país de comentadores «politicamente correctos», ainda não apareceu quem tenha coragem de apontar a dedo as medíocres prestações políticas da doutora Manuela Ferreira Leite, fazendo como o miúdo daquela velha história d’ «O Rei vai nu».
No fundo, o engenheiro Sócrates é como o computador «Magalhães»: está longe da excelência e não é genuíno, mas podem atirá-lo ao chão que ele nunca se parte."

(Alfredo Barroso) in Sorumbático


Por concordar com a visão de Alfredo Barroso acerca do impudor de José Sócrates não podia deixar de a partilhar connvosco. Ele há políticos descarados, mas o primeiro ministro português abusa. Digo eu!
Até já.

2 comentários:

Tiago R Cardoso disse...

entusiasmado com o ambiente da cimeira avançou com um ataque ao FMI.

gostaria de saber se discursou antes ou depois do jantar ?

Joaninha disse...

Não podia estar mais de acordo :)

beijos