quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Exausto



"Eu quero uma licença de dormir,
perdão pra descansar horas a fio,
sem ao menos sonhar
a leve palha de um pequeno sonho.
Quero o que antes da vida
foi o sono profundo das espécies,
a graça de um estado.
Semente.
Muito mais que raízes."

(Adélia Prado)


Não estou assim tão mal.
Mas já dormia...

Até já...

3 comentários:

L!NGU@$ disse...

Dormias tu e dormia eu.

Inté

sonhos/pesadelos disse...

credo!!!! não me digas que te sentes assim...é contagioso???? haja alegria André.lol
bjs endiabrados

Socrates daSilva disse...

Existem alturas em que o sono nos trás alento e forças renovadas. Tudo continua na mesma à nossa volta, mas voltámos com outra disposição...

Abraço!