quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Contos Pequeníssimos



"esta grandeza de não a ter
é mais pequena que a de não desejar tê-la

e se o preço de participar é grandeza
não contem comigo
não participo
não participo nem contra grandeza

nasci ar
em forma de gente
nasci luz
em forma de gente

não me compreendo
e respiro-me
e vejo-me textual

a forma de gente faz-me agir fora do que nasci ar
fora do que nasci luz

e nasci ar para forma de gente
e nasci luz para forma de gente

nasci antes de mim
antes de forma de gente

era génio antes de nascer
em forma de gente
a forma de gente não me deixa ser o génio que nasci."


(José de Almada Negreiros)


Delicioso!
Digo eu...

Até já...

6 comentários:

Blondewithaphd disse...

Bem, temos andado ocupados, hein? Há sempre um caminho, não é? Estou a gostar de seguir este que aqui é aberto.

Lampejos disse...

André Couto,

É,
e com toda certeza de ser ele mesmo.

Belíssimo poema... E sábias palavras.

Parabéns pela escolha!....


(a)braços,flores,girassois:)

sonhos/pesadelos disse...

sem maneira de comentar...mais uma brilhante escolha!
bjs endiabrados

Carol disse...

Lindo de morrer!

Anjo Negro disse...

Palavras para que??
É um poeta PORTUGUÊS ...
Excelente escolha ...
Obrigado ... Beijitos Anjo Negro

saves disse...

Gostei :)